Today: 16/04/2021
Mulher deprimida
Kaua Pereira Posted on 15:10

Qual é a relação entre depressão e autoestima?

Qual é a relação entre depressão e autoestima? Depressão e autoestima têm uma ligação significativa. Assim, e embora a origem da depressão seja claramente multifatorial, os estudos clínicos revelam que uma baixa autoestima mantida ao longo do tempo nos torna muito mais vulneráveis ​​a esse tipo de condição. A falta de aceitação e a falta de sentimentos positivos em relação a si mesmo nos deixam sem recursos psicológicos. Ao longo deste post, vamos descobrir a relação entre depressão e autoestima, continue lendo!

O que é depressão?

A depressão é considerada um transtorno, mas não com baixa autoestima, que é apontada como um sintoma em diversos transtornos. Assim, a baixa autoestima pode ser considerada uma consequência de sofrer de um transtorno psicológico, embora a realidade seja que não necessariamente precisa haver um transtorno para se ter uma baixa autoestima e esta pode ser a causa de transtornos psicológicos posteriores.

depressão pode ser causada por uma predisposição genética ou fatores ambientais (experiências traumáticas por exemplo) mas também devido a uma visão pessimista do mundo, pouca auto aceitação e falta de confiança nos próprios recursos, ou seja, baixa autoestima.

A verdade é que grande parte das pessoas que sofrem de depressão tem graves sentimentos de culpa, inutilidade e frustração constante, o que as leva a se sentirem responsáveis ​​por tudo de negativo que lhes acontece e tendem a ver o copo meio vazio, ou seja, têm uma visão pessimista do mundo e do futuro.

Embora a baixa autoestima não seja uma condição necessária para sofrer de depressão, a verdade é que a maioria dos casos de pessoas deprimidas apresenta esses sintomas.
Homem com depressão
Homem com depressão

Como está a autoestima?

Em relação à autoestima, pode-se dizer que é a base da percepção que temos de nós mesmos. Isso é forjado a partir das experiências que vivemos, ou seja, do fator ambiental e também das pessoas que nos cercam. Se nossos pais não têm autoestima, provavelmente, quando crianças, nós também “herdaremos” essa maneira de ver a vida, aprendendo. A baixa autoestima cria sentimentos de tristeza, vazio, frustração, culpa e desamparo. E esses sentimentos continuamente ao longo do tempo acabam causando estados depressivos.

Leia também:

Recaída Na Depressão Como Prevenir E Tratar?

A baixa autoestima pode criar depressão?

A depressão é caracterizada por um profundo sentimento de desânimo, tristeza, angústia e apatia. Sabemos que esse transtorno deve ser tratado o mais rápido possível, pois caso contrário, afetará nossos recursos psicológicos e emocionais, levando-nos a sofrer uma série de transtornos, tais como: sofrer de baixa autoestima.

Por isso, é importante manter a estabilidade emocional, pois isso nos permitirá sentir mais segurança, mais confiança e uma visão mais positiva de nós mesmos e do mundo que nos rodeia. A baixa autoestima causa uma visão distorcida e negativa de nós mesmos. Existe uma clara relação entre depressão e autoestima.

A baixa autoestima faz com que sejamos excessivamente críticos em relação ao nosso modo de ser e agir. Isso nos deixa insatisfeitos por não conseguirmos o que queremos. E isso nos deixa infelizes. A baixa autoestima pode nos aproximar perigosamente da depressão.
menina triste sentada sozinha no chão
Menina triste sentada sozinha no chão

Da depressão à baixa autoestima

Quando nosso interior está condenado à dor mais profunda, à tristeza mais absoluta e a pensamentos tão negativos que obscurecem nossas mentes, nossa autoestima é seriamente prejudicada. Se nossa mente for incapaz de detectar o positivo nas coisas e nas experiências, não o fará com nossa própria imagem ou autoconceito.

Só alcançaremos uma elevada autoestima quando formos capazes de conceber o que há de bom no mundo ao nosso redor e tudo de bom em nós mesmos. No final, uma coisa leva a outra e devemos tratar a autoestima e a depressão juntos. Existe uma clara relação entre depressão e autoestima.

Relação entre depressão e autoestima

Existe uma relação entre depressão e autoestima. Viver com baixa autoestima é semelhante a “ficar nu”. Isso nos torna vulneráveis , fazendo com que o medo, a insegurança e a negatividade assumam o controle. Precisamos de uma visão positiva de nós mesmos para sermos capazes de enfrentar o mundo ao nosso redor com sucesso.

A depressão tem origem multifatorial. Para sofrer de depressão, alguns fatores devem ser dados, tais como: certos gatilhos externos, uma predisposição genética ou uma alteração química do nosso cérebro. São fatores que não podemos controlar e nos tornam vulneráveis. Mas a baixa autoestima nos torna incapazes de enfrentar ou administrar os problemas mais simples. Assim, podemos ser surpreendidos pelos acontecimentos e cair em depressão. Existe uma clara relação entre depressão e autoestima.
Mulher deprimida triste e chorando
Mulher deprimida triste e chorando

Tratamento para depressão

Existem vários tratamentos que têm comprovado sua eficácia no manejo e no tratamento da depressão, como os tratamentos farmacológicos e as terapias psicológicas.

O tratamento adequado depende de cada caso específico. Os profissionais de saúde devem levar em consideração os possíveis efeitos adversos dos antidepressivos, as possibilidades de realização de um ou outro tipo de terapia e sua opinião como paciente.

Farmacoterapia

Os principais medicamentos usados ​​para tratar a depressão são chamados de antidepressivos. Essas drogas funcionam aumentando os níveis cerebrais de substâncias químicas que as células cerebrais usam para se comunicar, conhecidas como neurotransmissores.

Existem diferentes tipos de antidepressivos de acordo com sua estrutura química e seu mecanismo de ação:

  • Tricíclicos: assim chamados porque sua estrutura química consiste em três anéis. Os mais usados ​​são clomipramina, imipramina, amitriptilina e nortriptilina.
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS): são os mais usados ​​e populares, pois essa família faz parte da fluoxetina, o popular Prozac. Outros SSRIs são: citalopram, escitalopram, fluvoxamina, paroxetina, sertralina.
  • Dupla: agem aumentando a dopamina e a norepinefrina (bupropiona), ou a norepinefrina e a serotonina (venlafaxina e duloxetina e mirtazapina).
  • Melatoninérgico: atua na melatonina; é o caso da agomelatina.
  • IMAOs: eles inativam uma enzima que destrói os neurotransmissores. Suas interações com certos alimentos, bem como seus efeitos colaterais, diminuíram seu uso.

Os medicamentos antidepressivos levam várias semanas para fazer efeito. Geralmente, não se observa uma melhora até a terceira ou quarta semana de tratamento e eles atingem sua eficácia máxima em 10-12 semanas. Em geral, é necessário aumentar a dose aos poucos no início, enquanto no final é necessário interrompê-los gradativamente. O profissional de saúde aconselhará a redução da dose ou a interrupção do uso dependendo da melhora. E se a evolução dos sintomas não for a esperada, pode-se pensar na possibilidade de tentar outro tratamento.

A medicação deve ser sempre tomada de acordo com a prescrição e orientação do médico.
Remédios contra depressão
Remédios contra depressão

Tratamento para depressão

Existem vários tratamentos que têm comprovado sua eficácia no manejo e no tratamento da depressão, como os tratamentos farmacológicos e as terapias psicológicas.

O tratamento adequado depende de cada caso específico. Os profissionais de saúde devem levar em consideração os possíveis efeitos adversos dos antidepressivos, as possibilidades de realização de um ou outro tipo de terapia e sua opinião como paciente.

Farmacoterapia

Os principais medicamentos usados ​​para tratar a depressão são chamados de antidepressivos. Essas drogas funcionam aumentando os níveis cerebrais de substâncias químicas que as células cerebrais usam para se comunicar, conhecidas como neurotransmissores.

Existem diferentes tipos de antidepressivos de acordo com sua estrutura química e seu mecanismo de ação:

  • Tricíclicos: assim chamados porque sua estrutura química consiste em três anéis. Os mais usados ​​são clomipramina, imipramina, amitriptilina e nortriptilina.
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS): são os mais usados ​​e populares, pois essa família faz parte da fluoxetina, o popular Prozac. Outros SSRIs são: citalopram, escitalopram, fluvoxamina, paroxetina, sertralina.
  • Dupla: agem aumentando a dopamina e a norepinefrina (bupropiona), ou a norepinefrina e a serotonina (venlafaxina e duloxetina e mirtazapina).
  • Melatoninérgico: atua na melatonina; é o caso da agomelatina.
  • IMAOs: eles inativam uma enzima que destrói os neurotransmissores. Suas interações com certos alimentos, bem como seus efeitos colaterais, diminuíram seu uso.

Os medicamentos antidepressivos levam várias semanas para fazer efeito. Geralmente, não se observa uma melhora até a terceira ou quarta semana de tratamento e eles atingem sua eficácia máxima em 10-12 semanas. Em geral, é necessário aumentar a dose aos poucos no início, enquanto no final é necessário interrompê-los gradativamente. O profissional de saúde aconselhará a redução da dose ou a interrupção do uso dependendo da melhora. E se a evolução dos sintomas não for a esperada, pode-se pensar na possibilidade de tentar outro tratamento.

A medicação deve ser sempre tomada de acordo com a prescrição e orientação do médico.

Tratamento para melhorar a autoestima
Tratamento para melhorar a autoestima
Tanto para tratar a depressão quanto para melhorar a autoestima, convidamos você a consultar um psicólogo para tratar do seu caso particular. Gostou do nosso artigo sobre a relação entre depressão e autoestima? Compartilhe o nosso post em suas redes sociais!
%d blogueiros gostam disto: